02/09/201910:09

Setembro Amarelo. Sua vida importa muito e você não está sozinho.

11 milhões: esse é o número de pessoas que sofrem de depressão atualmente no Brasil*, país com mais casos da doença na América Latina. O dado é alarmante e precisa da atenção de todos nós.

Quais motivos desencadeiam a doença?

Normalmente, a doença é desencadeada por um conjunto de situações, como cobranças excessivas, culpa, remorso, ansiedade, medo, fracasso e humilhação. E quando a depressão não é tratada corretamente, pode resultar em graves consequências sociais, como problemas nos relacionamentos, desemprego, isolamento, propensão a vícios (álcool e drogas, por exemplo) e, nos casos extremos, o suicídio.

Brasil: 32 casos de suicídio são registrados por dia no país

Precisamos estar com o alerta ligado. Dados mostram que os casos de suicídio têm aumentando no mundo todo e, segundo a Organização Mundial da Saúde, só no Brasil, a taxa entre a população jovem (de 15 a 29 anos) chegou a quase 6 a cada 100 mil habitantes. Por isso, o “Setembro Amarelo”, mês em que o assunto é tratado com mais ênfase, é muito importante para agirmos pela prevenção.

Segundo o Centro de Valorização da Vida (CVV), associação que presta serviço voluntário e gratuito de apoio emocional para quem precisa (sob total sigilo e anonimato), aproximadamente 90% dos casos são evitáveis. Portanto, precisamos, sim, falar sobre isso.

O diagnóstico

A depressão é diagnosticada por psicólogos e/ou psiquiatras e apesar do aumento na procura por estes profissionais especializados em saúde mental, o preconceito continua sendo um dos maiores obstáculos para a identificação e recuperação dos pacientes que, além de precisarem lutar contra os sintomas (que muitas vezes interferem na autonomia, independência e qualidade de vida), também precisam lutar contra a discriminação.

Em caso de angústia, que tal desabafar?

É preciso deixar de ter medo de falar sobre o assunto, derrubar tabus e compartilhar informações sobre o tema para conhecermos o problema, suas causas, formas de prevenção e tratamentos. As conversas abrem caminhos e ligam o alerta sobre como podemos identificar uma crise. Para isso, levar em conta pequenos sinais pode fazer a diferença:

- Falta de concentração e disposição
- Fadiga e irritabilidade
- Choro sem razão aparente
- Alterações no sono
- Tristeza persistente
- Perda de interesse em atividades que antes davam prazer
- Postagens relacionadas a suicídio ou depressão profunda nas redes sociais
- Sentimentos como inutilidade, angústia, desesperança, arrependimento, culpa etc.

Se você está precisando de ajuda ou conhece alguém que esteja, os voluntários do CVV estão 24h disponíveis e preparados para oferecer apoio emocional. Os atendimentos são gratuitos e realizados pessoalmente, por telefone, chat, Skype e e-mail. 

*Fonte: Organização Mundial da Saúde, 2017.

Para mais informações, você pode ligar para o número 188 ou acessar www.cvv.org.br.