01 de Junho de 2021 | 12:45

Tarifa de trem custará R$ 5,90 a partir de 1º de julho

Em 31/05/2021 a Concessionária completou 100 dias de negociações com o Governo do Estado, de forma que a partir do dia 1º/07, a SuperVia aplicará a tarifa de R$ 5,90, valor homologado pela Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transportes (Agetransp) em dezembro/2020.

O reajuste tarifário – originalmente previsto para 02 de fevereiro, de acordo com o Contrato de Concessão, tendo como base a variação do IGP-M publicado pela Fundação Getúlio Vargas – foi realizado com desconto temporário de noventa centavos após semanas de negociação com o Governo do Estado e formalização em aditivo ao Contrato de Concessão. O acordo previa, ainda, que até 31/05/2021 fossem definidos os meios para viabilizar o reequilíbrio econômico-financeiro da concessão do transporte ferroviário de passageiros por conta desta frustração de receita, o que lamentavelmente não ocorreu. Por isso, a empresa está autorizada a cobrar o valor integral homologado pela Agência Reguladora (AGETRANSP). Os clientes estão sendo informados sobre a nova tarifa por meio dos canais de comunicação da Concessionária.

A crise gerada pela pandemia do novo coronavírus expôs o alto custo operacional e de manutenção do sistema ferroviário de passageiros fluminense, e a expectativa era que o Poder Concedente conseguisse contribuir de forma a conter impactos à população, tal como determinado pela AGETRANSP.

Deixamos de transportar 102.243.392 de passageiros, desde o dia 14/03/2020, quando foram iniciadas as medidas de contenção à COVID-19 no Rio de Janeiro. Antes da pandemia, registrávamos uma média de 600 mil passageiros diários, mas o número de embarques atualmente caiu pela metade e somam cerca de 300 mil passageiros nos dias úteis. A queda de demanda já chegou a 70% e hoje se estabilizou em 50%. A perda financeira é de mais de R$ R$ 472 milhões.

Assim como os outros modais de transporte público do Estado, dependemos basicamente da venda das passagens para dar continuidade à prestação do serviço e não contamos com qualquer subsídio do Governo. A SuperVia tem custos fixos para seguir com a operação e com a manutenção dos trens, das estações e da estrutura ferroviária, custos estes que se elevam cada vez mais diante dos repetidos furtos de materiais da via e demais questões de segurança pública que nos afetam constantemente. Além disso, temos atendido a todos os requisitos de higienização e operação e mantendo o serviço de todos os ramais.

A expectativa inicial era que a recuperação completa do fluxo de clientes se desse no segundo semestre de 2021. Mas, o comportamento da pandemia, assim como a crise econômica do país e o aprofundamento da crise no Rio de Janeiro alteraram a previsão de retomada da quantidade de passageiros transportados antes da pandemia apenas para 2023.